Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  11.53 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Entre o hábito e o carvão: pedagogias missionárias no sul de Santa Catarina na segunda metade do século XX
Autor:  
  Giani Rabelo   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFRGS/EDUCAÇÃO
Área Conhecimento  
  EDUCAÇÃO
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2007
Acessos:  
  895
Resumo  
  A investigação procura inventariar e analisar; numa perspectiva histórica; as práticas discursivas e institucionais instauradas pelas pedagogias missionárias; protagonizadas por cinco congregações religiosas femininas em vilas operárias do complexo carbonífero do sul de Santa Catarina; entre os anos de 1950 a 1980. Foram elas: Irmãs Beneditinas da Divina Providência; Irmãs do Instituto Coração de Jesus; Pequenas Irmãs da Divina Providência; Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade e Filhas do Divino Zelo. O principal objetivo do estudo foi compreender tais pedagogias em ação; junto aos operários e suas famílias; especialmente filhos; filhas e esposas. Com a finalidade de desdobrar tal problemática; foram explicitadas questões intimamente relacionadas; a saber: o que levou à vinda das freiras para as vilas operárias do complexo carbonífero? Que movimento operou-se no âmbito da Igreja Católica; nos anos de 1950; e como repercutiu na inserção das cinco congregações religiosas femininas nas vilas operárias? Como se produziu a aliança entre as congregações religiosas femininas e as elites locais ligadas ao complexo carbonífero da região sul de Santa Catarina? Como se caracterizaram as pedagogias missionárias instauradas pelas congregações nas vilas operárias? Quais os discursos que proliferaram no âmbito dessas pedagogias? Quais as continuidades e; principalmente; as descontinuidades nos processos educativos protagonizados pelas religiosas? Como os trabalhadores ligados às empresas do complexo carbonífero; seus filhos; filhas e esposas se apropriaram dos procedimentos e dos discursos das pedagogias missionárias? A pesquisa assentou-se num amplo corpus empírico; notadamente documentos orais; produzidos a partir da História Oral; e colhidos junto a participantes das diversas iniciativas empreendidas pelas congregações religiosas femininas. Também reuniram-se documentos escritos e iconográficos; conservados pelas congregações. Três importantes documentos foram localizados; depositários de indícios preciosos dessas práticas; minuciosamente descritas e registradas. Estes foram contrastados com os demais documentos da pesquisa com o intuito de promover uma maior aproximação às práticas protagonizadas pelas congregações religiosas femininas; junto às famílias operárias do complexo carbonífero. A partir desses indícios foi possível observar a ação insidiosa das religiosas na “reeducação” das famílias. Procuraram instituir novos hábitos e valores nas práticas cotidianas das vilas operárias e; para que isso se concretizasse; envolveram; de forma diferenciada; os operários; suas esposas; filhos e filhas; em várias ações de caráter social; educativo e religioso. Utilizaram-se para tal fim da combinação de vários saberes e enunciados discursivos. Em que pesem as resistências e as transgressões por parte dos sujeitos envolvidos; as pedagogias missionárias funcionaram como um amálgama para unir os operários em torno dos interesses das empresas; atenuando as condições críticas de vida; colaborando para que se tornassem mais produtivos. As pedagogias missionárias; assim; difundiram práticas sociais e culturais; ou; em outras palavras; ensinaram pensamentos e comportamentos; um saber fazer e saber ser; não só em relação aos trabalhadores; suas famílias e filhos; mas às próprias religiosas e suas congregações; tanto quanto as instituições de assistência; os médicos; os empregadores e o próprio Estado; diferentes sujeitos implicados nas vilas operárias do complexo carbonífero.
     
    Baixar arquivo