Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  5,90 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Demandas e disponibilidades hídricas da bacia hidrográfica do rio Pardo (RS) nos cenários atual e futuro para diferentes sistemas de produção de arroz irrigado
Autor:  
  Fernanda Helfer   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFRGS/RECURSOS HÍDRICOS E SANEAMENTO AMBIENTAL
Área Conhecimento  
  ENGENHARIA CIVIL
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2006
Acessos:  
  694
Resumo  
  A Bacia Hidrográfica do Rio Pardo é uma das 9 (nove) bacias que integram a Região Hidrográfica do Guaíba; no Rio Grande do Sul; sendo sua área de drenagem de aproximadamente 3.636 km². Os rios Pardo e Pardinho são os principais cursos de água; com extensões de aproximadamente 200 e 90 km; respectivamente. Estudos realizados recentemente sobre a situação atual dos recursos hídricos da Bacia do Rio Pardo constataram a ocorrência de deficiências hídricas em determinados períodos do ano e em algumas regiões. Estas deficiências foram atribuídas; principalmente; à demanda de água pela orizicultura; que representa 87% do volume total requerido anualmente e 97% do volume total requerido em janeiro; mês de maior demanda de água na Bacia. Dentro deste contexto; esta dissertação teve como objetivo geral analisar; sob as perspectivas da orizicultura irrigada; a situação hídrica quantitativa da Bacia Hidrográfica do Rio Pardo no cenário atual e em cenários futuros. Buscou-se quantificar os déficits hídricos (quando existentes) e identificar os cenários menos impactantes para os usuários da água da Bacia. Um modelo para estimativa da disponibilidade hídrica da Bacia foi testado e analisado. No entanto; quando da realização dos balanços hídricos; preferiu-se utilizar vazões observadas e medidas nos principais rios da Bacia; adotando-se; como disponibilidade hídrica; as vazões com 90% de garantia de excedência. Foram estabelecidos dois cenários futuros para a orizicultura – Tendencial e Otimista – os quais foram analisados sob duas projeções (4 e 12 anos). Os cenários foram configurados com base na combinação entre diferentes sistemas de cultivo e ciclo das cultivares de arroz; que; juntos; determinam diferentes demandas específicas; e; conseqüentemente; diferentes volumes totais por cenário. A demanda hídrica de cada cenário foi estimada utilizando-se um modelo matemático integrado a ferramentas de geoprocessamento. O modelo considera os principais componentes da demanda hídrica para irrigação (evapotranspiração; saturação do solo; lâmina superficial e fluxo lateral). Os resultados indicaram uma tendência de melhoria na eficiência de uso da água para irrigação na Bacia; com aumento de área cultivada e diminuição da demanda hídrica por unidade de área. Esse quadro pode ser atribuído; principalmente; ao aumento de lavouras sistematizadas; que garantem menor demanda hídrica; devido ao melhor aproveitamento da água de irrigação. A melhoria na eficiência de utilização da água é ainda maior nos cenários otimistas; em que se pressupõe; além do aumento de áreas sistematizadas; a utilização de cultivares de ciclo menor; condicionando reduções no período de irrigação. Apesar disso; os balanços hídricos realizados para cada cenário indicam a ocorrência de déficits hídricos mais graves do que os atuais nos cenários futuros. Esta configuração é atribuída ao aumento da área cultivada; que; mesmo com demanda específica menor; não garante que os conflitos sejam minimizados. Mesmo assim; os resultados mostraram que; dentro de uma mesma projeção futura; existe a possibilidade de haver significativas reduções na utilização de água; o que é evidenciado através das diferenças constatadas na comparação dos cenários tendenciais e otimistas; sendo estes últimos; menos impactantes na disponibilidade hídrica. A gestão e o planejamento de recursos hídricos; neste contexto; permitem disciplinar o uso e alocar a água entre os diversos usuários de uma bacia hidrográfica através da implementação de instrumentos de gestão e planejamento; como a outorga e a cobrança; no entanto; subsídios como os apresentados neste trabalho são necessários; pois; para que haja efetividade na implementação dos instrumentos; é fundamental que se conheçam as distribuições espacial e temporal das disponibilidades e demandas hídricas de cada Bacia Hidrográfica; e que se considerem as tecnologias empregadas nos diferentes sistemas de produção; que têm a água como insumo básico.
     
    Baixar arquivo