Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  698.59 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A sustentabilidade da produção extrativa da resex do Rio Ouro Preto (RO)
Autor:  
  José Otavio Valiante   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UNIR/ADMINISTRAÇÃO
Área Conhecimento  
  ADMINISTRAÇÃO
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2008
Acessos:  
  373
Resumo  
  Este trabalho discute questões relacionadas à produção extrativa em Reservas Extrativistas (RESEX). O objetivo foi analisar a sustentabilidade da produção da RESEX do Rio Ouro Preto (RO) e as condições de vida dos moradores. O referencial teórico-empírico apresenta uma discussão sobre populações tradicionais; enfocando seu conceito e principais características. Faz-se um histórico da origem das RESEX e suas principais finalidades. Discute-se o conceito de extrativismo e suas tendências; a produção extrativista e sua sustentabilidade em RESEXs; a conceituação de renda e condições de vida de populações. A pesquisa se caracteriza como quali-quantitativa e foi realizada em três etapas. Na primeira; com a finalidade de identificar temas prioritários foi aplicada a ferramenta Brainwriting 6-3-5; com uma equipe de técnicos do ICMBio em Guajará-Mirim/RO e representantes da comunidade da RESEX. Em um segundo momento foi feito levantamento e análise de dados da produção existente e das condições de vida das 179 unidades familiares moradoras da RESEX; distribuídas em 11 comunidades. Na terceira etapa foi realizada pesquisa de campo; com uma amostra constituída de 11 lotes; sorteados; um de cada comunidade; com objetivo de se estimar a produção potencial da RESEX; bem como a real possibilidade de exploração por parte das famílias. O estudo indicou que a simples criação de RESEXs não se mostra suficiente para a sustentabilidade econômica e social das unidades e sua população. Constatou-se que a população moradora não vive de forma adequada; especialmente devido à precariedade das moradias; problema no fornecimento de água e condições sanitárias e falta de serviços básicos de saúde. A renda familiar anual conseguida com a produção de R$ 3.891;00 é muito baixa; não atendendo as necessidades mínimas da família. De acordo a produção praticada atualmente; a agricultura representa 57;55% da renda; o extrativismo contribui com 15;25% e outras rendas com 27;20% na formação da renda familiar da RESEX. Isto significa que a população está basicamente sobrevivendo da agricultura. Constatou-se que a RESEX possui uma expressiva riqueza em recursos naturais. A participação do extrativismo; na formação da renda; pode ser aumentada para 52;83% se as famílias extraírem produtos em 10 hectares por lote; nas condições que possuem atualmente; sem utilização de tecnologia e equipamentos. Pode ainda aumentar a participação do extrativismo para 85;65% havendo investimentos que possibilitem exploração de produtos como o babaçu e o patoá. Assim; constatou-se que o extrativismo pode ser incrementado na RESEX estudada visando o aumento da renda e; possivelmente; as condições de vida da população envolvida. Para tanto; a elaboração de um Plano de Manejo para a RESEX Rio Ouro preto se torna ferramenta indispensável e urgente.
     
    Baixar arquivo