Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  822.23 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Associação da hiperhomocisteinemia com fatores bioquímicos, moleculares, dietéticos e antropométricos em indivíduos com síndrome metabólica
Autor:  
  Sofia Kimi Uehara   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFRJ/NUTRIÇÃO
Área Conhecimento  
  NUTRIÇÃO
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2006
Acessos:  
  483
Resumo  
  A síndrome metabólica (SM) e a hiperhomocisteinemia (Hhcy) exercem impacto na gênese das doenças cardiovasculares. Dados sobre a homocisteinemia e os seus possíveis determinantes em indivíduos com SM são escassos. Os objetivos do estudo foram avaliar a homocisteinemia e investigar sua associação com o sexo; idade; pressão arterial (PA); dados antropométricos (índice de massa corporal e circunferência da cintura - cc) e de composição corporal (gordura corporal); dados bioquímicos (folato plasmático – FP; cobalamina plasmática - CP; folato em eritrócitos - FE; insulinemia; glicemia; uricemia e perfil lipídico) e dietéticos (ingestão habitual de folato; cobalamina e piridoxina) e com fatores genéticos (polimorfismo C677T no gene metilenotetrahidrofolato redutase) e relacionados com o estilo de vida (consumo de bebidas alcoólicas e cafeína e tabagismo) em indivíduos com SM. Foram estudados 93 indivíduos (n=63 grupo com SM e n=30 grupo controle). Utilizou-se o critério do National Cholesterol Education Program/Adult Treatment Panel III para diagnosticar a SM. Glicemia; uricemia e o perfil lipídico foram determinados por método enzimático-colorimétrico e FP; CP e FE; por diluição de radioisótopos. Insulinemia foi avaliada por radioimunoensaio e a homocisteinemia; por cromatografia líquida de alta eficiência. Detectou-se o polimorfismo C677T através da reação em cadeia da polimerase e digestão enzimática. O estudo dietético incluiu o registro alimentar e o questionário de freqüência alimentar. Foram aferidos a cc; peso corporal; estatura; dobras cutâneas (triciptal; biciptal; subescapular e suprailíaca) e a PA. As médias das variáveis contínuas foram significativamente maiores no grupo com SM do que no controle; exceto para o FP e folato dietético. A homocisteinemia foi de 10 µmol/L (grupo com SM) e 9;4 µmol/L (grupo controle). A freqüência de Hhcy foi de 51% (n=32) no grupo com SM e de 33% (n=10) no controle. No grupo com SM; a Hhcy não se associou com o sexo; idade; PA; dados dietéticos; antropométricos e de composição corporal; fatores genéticos e relacionados com o estilo de vida e para a maioria dos dados bioquímicos investigados. Apenas a insulinemia e uricemia apresentaram associação com a Hhcy; sendo a uricemia o seu melhor preditor. A hipertensão arterial (HA) e a inadequação de FP também se mostraram associadas com a Hhcy. Em um grupo de indivíduos brasileiros com SM; a Hhcy se associou com a uricemia; insulinemia; HA e inadequação dos níveis de FP.
     
    Baixar arquivo