Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.28 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Produção de carvão vegetal ativado e compósitos termoplásticos a partir de co-produtos da cadeia produtivado biodiesel de girassol
Autor:  
  Nelma Maria Spinato Balbinot   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [ea] Edição do Autor
Instituição:/Programa  
  UNISC/TECNOLOGIA AMBIENTAL
Área Conhecimento  
  TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2007
Acessos:  
  570
Resumo  
  O aproveitamento de co-produtos da cadeia produtiva do biodiesel de girassol foi estudado visando à produção de carvão vegetal ativo e compósitos temoplásticos. O carvão foi produzido em forno de 600 e 700 oC por 20 e 30 min, tendo, como matéria-prima, tortas de girassol da variedade Aguará, obtida em laboratório, e de girassol industrial. O carvão ativado foi preparado pelos métodos de ativação física por pirólise a 110 oC por 24 h e ativação química com KOH a 50% (m/v) a 700 oC por 2 min. Avaliou-se o carvão ativado produzido por adsorção do azul de metileno em solução aquosa e por adsorção de iodo. As curvas de adsorção do azul de metileno obtidas permitiram constatar que, entre as condições testadas, obteve-se um carvão ativo com mais mesoporosidade desenvolvida através da ativação física, com a queima a 700 oC por 20 min para a torta de girassol obtida em laboratório, enquanto que, para a adsorção do iodo, criou-se abundante microporosidade com a queima a 600 oC por 30 min. Já para a torta de girassol industrial, os melhores resultados de adsorção do azul de metileno e do iodo foram obtidos com a casca a 600 e 700 oC por 20 e 30 min. Com a ativação química, todas as amostras obtiveram aumento da atividade, isto é, maior área de superfície específica. Os carvões ativados produzidos são, portanto, comparáveis aos comerciais. Os compósitos termoplásticos foram processados em matriz de polietileno de baixa densidade linear (PELBD), virgem ou pós consumo. As amostras foram formuladas com 10% de fração mássica da fase dispersa (torta) e a caracterização do material foi realizada pelos ensaios mecânicos de tração e de dureza Shore D e pelo ensaio físico de densidade. Os resultados demonstraram melhores propriedades para os compósitos termoplásticos com torta de girassol da variedade Charrua, obtida em laboratório, moída e com farelo de girassol industrial.
     
    Baixar arquivo