Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  6.16 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Propagação vegetativa de erva-mate (Ilex paraguariensis saint Hilaire – Aquifoliaceae)
Autor:  
  Kenia Michele de Quadros   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFSM/ENGENHARIA FLORESTAL
Área Conhecimento  
  RECURSOS FLORESTAIS E ENGENHARIA FLORESTAL
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  582
Resumo  
  A erva-mate (Ilex paraguariensis) assume uma importância ambiental e socioeconômica para a região sul do Brasil, porém carece de tecnologias de propagação vegetativa necessárias para o aumento da produção e da qualidade. O presente estudo teve por objetivos analisar a propagação via estaquia de material adulto e estabelecer a aclimatização ex vitro e o enraizamento de microestacas originadas de cultivo de embriões de erva-mate. Para a estaquia, analisaram-se o efeito do nível de sombreamento da planta matriz, a origem e o tamanho da estaca, avaliando o potencial de propagação vegetativa. As estacas foram coletadas de plantas matrizes de dois níveis de sombreamento (crescimento a pleno sol e sombreado), de duas origens (seminal e propagada vegetativamente) e de dois tipos (estaca convencional e de gema única). Os parâmetros utilizados para avaliar as estacas foram a porcentagem de estacas vivas e mortas, de estacas inalteradas, emissão e comprimento de brotos, formação de calos, enraizamento, permanência das folhas primárias, número e comprimento de raízes e número e comprimento de folhas dos brotos. Na aclimatização e enraizamento ex vitro de erva-mate foram testadas cinco concentrações de ácido indol butírico (AIB) (0, 250, 500, 1.000 e 2.000 ppm), e cinco tipos de substratos (vermiculita, areia, casca de arroz carbonizada, substrato comercial a base de casca de pinus e casca de coco), visando o enraizamento de microestacas. As microestacas foram avaliadas quanto a porcentagem de estacas inalteradas, de formação de calos, de enraizamento e de mortalidade, número de raízes, comprimento de raízes, tamanho total da microestaca, biomassa radicular e número de folhas dos brotos. Estaca coletada de planta matriz em pleno sol apresentou maiores porcentagens de estacas inalteradas. A presença de calo, das folhas primárias e a emissão de brotos afetaram o enraizamento. Estacas coletadas de matrizes propagadas vegetativamente apresentam maior taxa de enraizamento e comprimento de raízes. Na microestaquia, a concentração de 1.000 ppm de AIB foi eficiente para o enraizamento e crescimento de microestacas na aclimatização. Microestacas de erva-mate podem ser aclimatizadas e enraizadas ex vitro em substrato de casca de arroz carbonizada e em substrato comercial a base de casca de pinus.
     
    Baixar arquivo