Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  3.50 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Assembléias de amebas testáceas (Amoebozoa: Rhizopoda) associadas a rizosfera de Eichhornia crassipes (Martius) solomons (Pontederiaceae) no rio cachoeira, Bahia
Autor:  
  Márcio Borba da Silva   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UESC/SISTEMAS AQUÁTICOS TROPICAIS
Área Conhecimento  
  ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2008
Acessos:  
  333
Resumo  
  Estudos envolvendo microorganismos associados e/ou aderidos a macrófitas aquáticas são escassos. Assim; considerando a importância das amebas testáceas (Amoebozoa:Rhizopoda) no metabolismo de ambientes aquáticos e a escassez de informações sobre adiversidade das tecamebas; este trabalho teve como objetivo determinar a composição; abundância; biomassa e as variações sazonais das amebas testáceas associadas a estandes de Eichhornia crassipes no rio Cachoeira; em dois períodos hidrológicos; correlacionando-as com parâmetros ambientais. Foram inventariados 115 taxa de amebas testáceas associadas a rizosfera de E. crassipes; pertencentes a 10 famílias; 14 gêneros; 96 espécies e 19 variedades; distribuídos nas seguintes famílias: Difflugidae (42 taxa); Arcellidae (21 taxa); Centropyxidae (14 taxa); Euglyphidae; Lesquereusiidae (11 taxa cada); Cryptodifflugiidae (7 taxa); Cyphoderiidae (1 taxa); Hyalospheniidae (2 taxa); Trigonopyxidae e Trinematiidae (3 taxacada). As assembléias de amebas testáceas associadas a E. crassipes apresentaram variações sazonais significativas somente em termos quantitativos (densidade e biomassa); ligadas a sazonalidade hidrológica bem marcada (variação fluviométrica) do rio Cachoeira; entretanto; em termos qualitativos; houve elevada similaridade na composição das assembléias (riqueza e diversidade de espécies) observadas nos dois períodos. As menores densidades e biomassas das tecamebas foram verificadas no período de maior vazão; devido ao efeito de diluição causado pela redução do nível fluviométrico; e as maiores foram observadas no período de menor vazão; devido à redução na velocidade da água e ao aumento da eutrofização (biomassa fitoplanctônica) do meio. A principal forçante responsável pelas variações observadas na estrutura das assembléias de amebas testáceas no rio Cachoeira foi o efeito combinado da variação fluviométrica e do represamento e sua conseqüente eutrofização.
     
    Baixar arquivo