Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  965.00 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Uso de processos oxidativos e bioestimulação in situ para remediação de solos contaminados
Autor:  
  Sara Regina Allebrandt   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UNISC/TECNOLOGIA AMBIENTAL
Área Conhecimento  
  ENGENHARIA SANITÁRIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  568
Resumo  
  A contaminação de solos e águas subterrâneas com hidrocarbonetos de petróleo; tem sido objeto constante de preocupação; e alguns dos grandes poluidores são o os postos de combustíveis; que atualmente chegam a 54.513 no Brasil; sendo que só na região Sul são 11.845; e muitos destes; ainda encontram-se em situações irregulares e de risco; sendo considerados uma das principais fontes de contaminação; devido a pequenos e contínuos vazamentos ; favorecidos pelo envelhecimento dos tanques de estocagem. Existem diversas tecnologias de remediação para a remoção direta destes contaminantes; assim como para o aumento do potencial de biodegradação destes poluentes em áreas contaminadas. O principal objetivo deste trabalho foi promover um método de processo oxidativo avançado In Situ; visando à remoção de hidrocarbonetos do solo contaminado; testando a eficiência de dois compostos; o ORC (Oxygen Release Compound): produto comercial; considerado acelerador para biorremediação; formulado a base de peróxido de cálcio; e que quando hidratado; produz uma liberação controlada de oxigênio por um período de até 12 meses em uma única aplicação; estimulando o aumentando da concentração de microrganismos e consequentemente diminuindo a concentração de poluentes e um segundo composto a base de peróxido de Magnésio produzido no Laboratório de Engenharia Ambiental da Universidade de Santa Cruz do Sul; o qual manteve as mesmas características de liberador de oxigenio; mas que comparado ao produto comercial; obteve um melhor resultado na degradação; reduzindo mais rapidamente todos os parâmetros analisados. Nos compostos BTEX; a redução média foi de 80;7% dos contaminantes no solo com a aplicação do MgO2; enquanto que no composto comercial ORC a redução ficou em 55%. O composto desenvolvido apresentou um elevado potencial para sua aplicação em lugares contaminados por hidrocarbonetos; uma vez que promoveu a bioestimulação e levou a uma maior taxa de biodegradação dos compostos contaminantes. Também cabe destacar que o composto aqui desenvolvido apresenta um valor comercial muito inferior ao concorrente.
     
    Baixar arquivo