Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  873.71 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A construção social do "ex-bandido": um estudo sobre sujeição criminal e pentecostalismo
Autor:  
  Cesar Pinheiro Teixeira   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFRJ/SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA
Área Conhecimento  
  SOCIOLOGIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  242
Resumo  
  O objetivo principal deste trabalho é compreender, de uma perspectiva sociológica e antropológica, a conversão de “bandidos” a igrejas evangélicas pentecostais. O material empírico consiste basicamente em entrevistas em profundidade com pessoas “que passaram pela vida do crime” – a maior parte envolvida no tráfico de drogas – e que se converteram a alguma denominação pentecostal. A análise está baseada, sobretudo, na idéia de sujeição criminal – que em termos gerais, diz respeito à construção social do “bandido” como sujeito: indivíduo reconhecido socialmente como portador de uma “natureza criminosa”. Na conversão ao pentecostalismo, observamos que o “bandido” precisa transformar sua “natureza”, sua “personalidade”, sua “individualidade”. Não são apenas o abandono de práticas criminosas e a adoção de um “trabalho honesto” que estão em jogo, mas a “transformação do sujeito”. Dessa forma, na conversão do “bandido” ao pentecostalismo, a sujeição criminal é posta em evidência. Procurei descrever e analisar não apenas o modo como o indivíduo interpreta sua condição de “ex-bandido”. Fornecemos, assim, alguns elementos para compreendermos o processo de construção de duas identidades que são fortemente presentes nas periferias das cidades brasileiras e que constituem parte importante de seu cotidiano: a de “bandido” e a de “crente”.
     
    Baixar arquivo