Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  988.05 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Uso do reator sequencial em batelada ( RSB) para tratamento de efluentes da suinocultura
Autor:  
  Cinara Dal Santo Pes   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [ea] Edição do Autor
Instituição:/Programa  
  UNISC/TECNOLOGIA AMBIENTAL
Área Conhecimento  
  ENGENHARIAS
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  462
Resumo  
  O presente trabalho apresenta os resultados obtidos através de ensaios de laboratório da tratabilidade de efluentes suínos em um reator seqüencial em batelada (RSB). Para os ensaios foram utilizados efluentes suínos coletados em uma lagoa anaeróbia de uma granja suinicola localizada no município de Santa Rosa, RS. Foram realizados quatro séries de ensaios, sendo que no primeiro verificou-se o efeito do armazenamento anaeróbio sobre a qualidade do efluente. Nos outros três ensaios foram analisados com diferentes tempos de aeração e combinações de etapas anóxicas e de decantação. Todos os ensaios foram realizados em temperatura ambiente média de 17,8 oC e concentrações de OD na faixa de 2 a 3 mg.L-1, chegando a ausência na etapa anóxica. O pH dos experimentos se manteve entre 7,5 e 8,0 ao longo do processo. Os resultados dos ensaios mostraram que tempos de aeração menores do que 16 horas são insuficientes para promover a redução da carga orgânica e dos nutrientes presentes no efluente. Os resultados mostraram ainda que o uso de condições óxico-anóxicas aliadas com aeração prolongada são as mais adequadas para o tratamento deste efluente. Dessa forma, o uso de um tempo de aeração de 18 horas, seguido de um tempo de anóxico e de decantação de 2 horas foi adequado para remover 90% da DBO5 do sistema, assim como retirar em média 80% do nitrogênio e 70% do fósforo presente no efluente. Porém, apesar destas elevadas remoções o efluente final não atingiu ainda os padrões de lançamento recomendados pela Resolução do CONAMA 357.
     
    Baixar arquivo