Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  293.10 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Degradação de glutaraldeído em meio aquoso com poas visando tratamento de efluentes da área da saúde
Autor:  
  Ellen Caroline Rosa   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [ea] Edição do Autor
Instituição:/Programa  
  UNISC/TECNOLOGIA AMBIENTAL
Área Conhecimento  
  ENGENHARIAS
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  477
Resumo  
  Os vários setores de uma unidade hospitalar são grandes geradores de efluentes contaminados que apresentam uma nocividade ambiental bastante acentuada, devido à presença de poluentes em grandes concentrações e de produtos químicos utilizados para a desinfecção e limpeza de equipamentos e salas de internação. Neste trabalho foi realizado o tratamento e a análise de amostra aquosa de glutaraldeído (GA), produto químico utilizado para a desinfecção de materiais hospitalares, utilizando como método de tratamento os Processos Oxidativos Avançados (POAs), aplicando o tratamento com O3, UV e, ainda, a combinação entre eles. As amostras de glutaraldeído preparadas para o tratamento foram feitas em diferentes pH, diferentes concentrações de glutaraldeído e diferentes porcentagens de ozônio para a escolha e a determinação do melhor método/combinação e, posteriormente foi realizada a determinação espectrofotométrica do GA antes e após o tratamento de cada amostra bruta e cada amostra tratada. Sendo assim, buscou-se a melhor combinação dos métodos para a degradação de uma amostra aquosa de GA. A melhor combinação observada foi o conjugado O3/UV, com degradação de 72,0 a 75,0% em um intervalo de pH 4 e 9. Através da cinética ficou evidente que a degradação do GA independe do pH e que quanto menor a concentração, aumenta-se o percentual de degradação chegando a 79,2% para 5 mg L-1. Também foram realizados ensaios em amostra real do efluente geral proveniente de um hospital regional. Neste caso o efluente foi caracterizado, posteriormente foi contaminada a amostra com 10 mg L-1 de GA e após o tratamento, observou-se uma degradação de 23,3% do GA e reduções importantes em outros parâmetros e na degradação de glutaraldeído.
     
    Baixar arquivo