Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  2,33 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Break-ar a vida: processos de subjetivação de jovens negros por meio da dança na cidade de São Paulo
Autor:  
  Wanderley Moreira dos Santos   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  PUC/SP/PSICOLOGIA (PSICOLOGIA CLÍNICA)
Área Conhecimento  
  PSICOLOGIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  811
Resumo  
  Esta pesquisa é o mapeamento do break na cidade de São Paulo; uma dança que surgiu na década de 70 nos Estados Unidos a partir da tensão presente nas relações de raça e de classe e que faz com que os porto-riquenhos e negros criassem um estilo de dança no qual fosse possível trazer para o visível e o audível o que estava na ordem da sensação. Antes de ser uma dança; o break é a faixa instrumental do funk na qual são valorizadas as batidas e as linhas de baixo. A forma diferenciada pela qual; garotos e garotas dançavam nessa parte do funk. Eles e elas passaram a ser identificados como b.boys e b.girls; nome dado por DJ Kool Herc; um dos jamaicanos; que imigrou para os Estados Unidos na década de 60; e produzia as Block Partie; (festas de quarteirões); embaladas por soul; funk; jazz e músicas latinas no bairro do Bronx; em Nova York. Junto ao surgimento do break; cria-se um novo ritmo musical; proveniente da junção de samples de ritmos do hip-hop; do funk e do electro; o break beat. Essa música híbrida foi criada pelo próprio Kool Herc; e tem múltiplas variações. Essa modalidade de dança foi acoplada ao movimento hip-hop e nele ganhou forma. Nessa cartografia houve a necessidade de perscrutar minimamente os trajetos da configuração do protest song; movimento iniciado nos estados Unidos; mas que deixou seus rastros em várias diásporas negras; em especial no Brasil. Não é; no entanto; uma tentativa de retorno ao arcaico; e sim; de traçar linhas tênues do que chamei; provisoriamente; de ampliação da militância; a qual pode ser definida sugestivamente como fusão da música e da militância que cria uma potente malha-ardilosa na convocação dos corpos; da subjetividade e da vida; especialmente da população negra. No break a palavra é transformada em movimento de corpos com suas velocidades; gingas e saltos. Nisso tem-se forjado um território minimamente consistente de existência: são memórias corporais que estão se constituindo. Há três espaços públicos onde o break se manifesta: a roda (espaço de descontração); o racha (espaço de disputa) e o palco (espaço cênico). Não é somente a configuração do tipo de espaço físico que diferenciará a dança; mas; sobretudo a pré-disposição de corpos dos dançarinos. No break houve uma explosão das categorias de raça e de classe; pois um b.boy e uma b.girl; só são pela capacidade de dançar. Há uma diversidade de raças e de classes e não foi sentido conflitos entre elas. Essas categorias encontram-se; ainda; bem marcadas dentro do hip-hop; mas no que se refere à questão gênero; está; ainda travada e evidencia uma concepção de mulher marcada não por uma diferenciação; mas por desigualdade. No entanto; há um tremor anunciado por parte das b.girls para abalar o atual desenho das representações no break em São Paulo. É um devir-b.girl que se anuncia; um inconsciente que protesta; um corpo que grita e que se recusa a ceder mais uma vez. Começa-se a formar elos com outros corpos; num processo revolucionário que pretende alterar a cartografia dominante no break. Elas estão fazendo a vida break-ar na forja de outro croqui urbano
     
    Baixar arquivo