Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  3,78 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Haiti, uma república do Vodu?: uma análise do lugar do Vodu na sociedade haitiana à luz da Constituição de 1987 e do Decreto de 2003
Autor:  
  Jean Gardy Jean Pierre   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  PUC/SP/CIÊNCIAS DA RELIGIÃO
Área Conhecimento  
  TEOLOGIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  560
Resumo  
  A Constituição de 1987 proclama a liberdade religiosa no Haiti e reconhece o Vodu como religião. No entanto; o estatuto jurídico do Vodu só muda com a publicação do decreto de 4 de abril de 2003 pelo presidente Jean-Bertrand Aristide; que o reconhece juridicamente e como patrimônio cultural da nação haitiana. Este trabalho apresenta uma visão sobre o Vodu haitiano à luz dessas duas recentes conquistas do povo haitiano. O que mudou desde então e quais perspectivas se abrem a esse Estado pioneiro nas lutas americanas pela Independência e pela abolição do sistema escravista? Para responder a essas indagações e outras; propusemos esta pesquisa organizando o trabalho em três capítulos: O primeiro traça a história do Haiti; desde o período em que era habitado pelos povos Tainos; passando pela colonização espanhola e francesa; pela independência e por outros acontecimentos mais importantes; para depois definir o Vodu levando em conta sua origem e sua evolução histórica e sociológica. No segundo capítulo; refletimos sobre a relação entre a Igreja Católica; o Estado e o Vodu após a Independência. A relação com o Vodu foi sempre tensa e polêmica; variando da acolhida incondicional ao repulso sistemático; ou ainda da tolerância à intransigência. Em 1860; a Igreja Católica assinou uma Concordata com o Estado e após a Concordata; organizou várias campanhas contra o Vodu. No terceiro capítulo; refletiremos sobre a reabilitação do Vodu por um setor da elite intelectual do país; especialmente por meio da Escola Indigenista; durante a ocupação americana. Os principais representantes deste movimento foram Jean Price-Mars; médico e antropólogo; o romancista Jacques Roumain;e François Duvalier que através de numerosas pesquisas e publicações ajudaram no renascimento do Vodu como religião. Com o Concílio Vaticano II; a Igreja Católica mostrou-se mais compreensiva e tolerante frente ao Vodu; a ponto de procurar compreendê-lo a partir de dentro. A revalorização do Vodu o ajudou a sair da clandestinidade e ajudou também os haitianos a reencontrarem os valores que os uniram no passado e que os podem unir outra vez em torno de um projeto de reconstrução nacional
     
    Baixar arquivo