Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.34 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Warifteína, alcalóide bisbenzilisoquinolínico, inibe o edema e a hiperalgesia em modelo experimental de alergia
Autor:  
  Hermann Ferreira Costa   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFPB/J.P./PRODUTOS NATURAIS E SINTÉTICOS BIOATIVOS
Área Conhecimento  
  FARMACOLOGIA
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2007
Acessos:  
  316
Resumo  
  Warifteína (W) é um alcalóide do tipo bisbenzilisoquinolínico com efeito antiespasmódico e antiinflamatório. É o alcalóide majoritário da planta Cissampelos sympodialis Eichl. A planta é utilizada no Nordeste Brasileiro para o tratamento de doenças inflamatórias e alérgicas. Este estudo avaliou o tratamento oral com W em camundongos BALB/c ativamente sensibilizados (ovalbumina) e em ratos passivamente sensibilizados ou quimicamente estimulados. O edema de pata; os níveis de Imunoglobulina (Ig) E; a reação de choque anafilático e a hiperalgesia térmica foram analisados. Em adição; o tratamento oral foi testado na proliferação de esplenócitos; na degranulação de mastócitos teciduais e peritôneais de rato e na linhagem de mastócitos (ClMC/C57.1); e na produção de oxido nítrico (NO*) de macrófagos peritôneais de camundongos BALB/c. O tratamento com W significantemente inibiu o edema de pata em camundongos BALB/c ativamente sensibilizados mas não em ratos passivamente sensibilizados ou quimicamente estimulados; reduziu os níveis de IgE ovalbumina-específica; o percentual de mortalidade na reação de choque anafilático e a hiperalgesia térmica em ratos. Os resultados mostraram que o tratamento oral com W inibiu parcialmente a proliferação de esplenócitos na presença de estímulo e também o tratamento com W; in vitro; inibiu a liberação de histamina dos mastócitos teciduais e peritoneais de rato bem como a liberação de -hexosaminidase da linhagem de mastócitos. Entretanto em cultura de macrófagos; os níveis de NO* foram significantemente aumentados. Esses resultados sugerem que o tratamento oral com W tem efeito antialérgico por reduzir os níveis de IgE; inibir a degranulação dos mastócitos e aumentar a produção de NO* de macrófagos. Por esta razão o alcalóide é um dos componentes do extrato de Cissampelos sympodialis responsável pelo efeito antialérgico e estes dados corroboram com o uso da planta no tratamento de doenças alérgicas na medicina popular.
     
    Baixar arquivo