Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  532,66 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  O conservatório dramático brasileiro e os ideais de arte, moralidade e civilidade no século XIX
Autor:  
  Luciane Nunes da Silva   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFF/LETRAS
Área Conhecimento  
  LETRAS
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2006
Acessos:  
  2.764
Resumo  
  A atividade artística; nas primeiras décadas do Segundo Império; no Brasil; estabelecia vínculos estreitos com um conjunto de práticas; com comportamentos; costumes e valores defendidos e recomendados pelas classes dominantes. O Conservatório Dramático Brasileiro; instituição censória fundada em 1843; através da censura teatral; buscou aproximar o teatro ao padrão de moralidade considerado ideal pelas elites política; intelectual e religiosa. Junto ao Conservatório; a crítica e parte da produção teatral e literária; através de um ideal de formação moral e de civilização do público por meio da arte; associaram a atividade artística às noções de moralidade e civilidade; tidas como necessárias ao progresso e à elevação do Brasil ao grupo das nações civilizadas européias. De forma direta; o Conservatório Dramático Brasileiro estabeleceu um conjunto de proibições no campo da construção simbólica; interferindo nos modos e tipos de representação da sociedade; inserindo-se; assim; em debates relativos a questões estéticas; políticas e de natureza moral - visto que pretendia intervir nos costumes e comportamentos do público. José Rufino Rodrigues de Vasconcelos e Antônio José Victorino de Barros; ambos censores da instituição; muito contribuíram para o fortalecimento da censura teatral e para que a atividade artística expressasse valores que consolidassem a supremacia do Estado Imperial e que assegurassem os privilégios à elite. Machado de Assis; como crítico; e posteriormente; como censor; também participará de tais discussões. Alinhavando todo o debate que se criou em trono do Conservatório; dos ideais de arte e das propostas de difusão do padrão de moralidade das classes dominantes; nota-se a utilização reiterada; por parte dos homens de letras da época; de um discurso de afirmação da arte nacional e de formação de um público especializado.
     
    Baixar arquivo