Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  710,94 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Desenvolvimento de um modelo animal para autismo induzido pelo valproato: domínio do comportamento de aprendizagem
Autor:  
  Helen Meira Cavalcanti   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UPM/DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO
Área Conhecimento  
  PSICOLOGIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2007
Acessos:  
  1.595
Resumo  
  Estudos experimentais vem buscando desenvolver modelos de teses comportamentais para roedores na tentativa de avaliar os três domínios que caracterizam o autismo: prejuízos na interação social, na comunicação verbal e não-verbal, padrões de comportamento, interesses, atividade restrita, comportamento repetitivo e estereotipado.Um dos modelos baseia-se na exposição pré-natal aos agentes teratógenos, como o ácido valpróico, considerados um fator de risco para o autismo. O objetivo deste trabalho é analisar a interferência do ácido valpróico no aprendizado e na capacidade de flexionar rotinas em ratos wistar. Trata-se de um estudo experimental, composta por uma amostra de 20 ratos machos, sendo 10 do grupo controle e 10 do grupo experimental. A capacidade de aprendizagem e de flexiblizar rotinas é avaliado pelo teste labirinto T. A capacidade de habituação é medida pelo teste de campo aberto, e a capacidade de aprendizagem, discriminação e reversão é avaliado pelo teste na caixa de condicionamento operante. Os resultados mostram que o ácido valpróico interferiu nas capacidades de aprendizagem, de flexibilizar a rotina, de habituação e reversão do aprendizado. Essas alterações comportamentais são compatíveis com aqueles observados em indivíduos autistas.
     
    Baixar arquivo