Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  15.69 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Os peixes, a pesca e os pescadores da reserva de desenvolvimento sustentável ponta do tubarão (Macau-Guamaré/RN), Brasil
Autor:  
  Thelma Lúcia Pereira Dias   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFPB/J.P./CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (ZOOLOGIA)
Área Conhecimento  
  ZOOLOGIA
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2006
Acessos:  
  203
Resumo  
  Os ambientes costeiros e marinhos do Brasil vêm sofrendo nos últimos anos um considerável processo de degradação ambiental, gerado pela crescente pressão sobre os recursos naturais marinhos. A extensa Zona Costeira brasileira abriga uma grande variedade de espécies e ecossistemas, entre os quais os manguezais constituem um dos mais ameaçados globalmente. Além de serem áreas fundamentais para uma parte do ciclo de vida de inúmeras espécies marinhas, os manguezais fornecem recursos renováveis, como caranguejos, moluscos e peixes, para algumas populações humanas. A criação de unidades de conservação tem sido umas das estratégias brasileiras para conservar alguns ecossistemas e para garantir a manutenção de atividades tradicionais desenvolvidas por comunidades costeiras e agrícolas ao longo de todo o território. Embora a efetividade das unidades de conservação seja amplamente questionada, a criação de áreas protegidas, inclusive para a pesca artesanal, tem sido freqüentemente efetuada no Brasil. Uma grande parte das comunidades pesqueiras do Brasil sobrevive da pesca realizada em áreas estuarinas, onde os manguezais predominam e fornecem habitat, alimento, refúgio e local de desova para centenas de espécies marinhas. Estima-se que pelo menos 35% da área de florestas de mangue foram destruídas nas duas décadas anteriores, perdas estas, que excedem às das florestas tropicais e dos recifes de coral. De um modo geral, a taxa anual de perda de mangues é estimada em 2,1%, entretanto, para as Américas especificamente, essa taxa anual de destruição sobe para 3,6%. As comunidades que habitam a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Ponta do Tubarão constituem-se em uma dessas comunidades costeiras brasileiras que estão sofrendo as conseqüências da sobrepesca marinha, que subsistem dos recursos do mangue e que têm na criação dessa área protegida, uma esperança para melhoria nas condições de vida e de exploração dos recursos pesqueiros marinhos e estuarinos. E embora a pesca artesanal seja a atividade econômica tradicional e predominante na Reserva, registros científicos ou publicações sobre esta atividade são inexistentes. Visando contribuir para a implantação da Reserva e para um melhor conhecimento científico acerca da ictiofauna local, o presente estudo tem os seguintes objetivos: (a) caracterizar o ambiente da Reserva e as possíveis ameaças/impactos ambientais presentes na área e entorno, (b) fornecer informações acerca do processo de implantação da unidade, (c) realizar um levantamento da ictiofauna estuarina, dos recursos pesqueiros explorados pelas populações tradicionais no manguezal e mapear os ambientes de exploração dos principais recursos, (d) caracterizar a pesca com rede de tresmalhos na zona marinha costeira da Reserva, bem como os identificar os recursos explorados, as espécies comercialmente valiosas e as espécies descartadas; e, (e) fornecer dados acerca do perfil socioeconômico, percepção ambiental e perspectivas das mulheres que subsistem da catação de mariscos no manguezal da Reserva.
     
    Baixar arquivo