Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  631.09 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A razão para o iluminismo e para o pensamento complexo: possíveis implicações desse estudo para o ensino de filosofia no ensino médio
Autor:  
  Oscar Kiyomitsu Kamesu   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UNINOVE/EDUCAÇÃO
Área Conhecimento  
  EDUCAÇÃO
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  294
Resumo  
  A razão constitui-se um dos elementos fundamentais que contribuem para a formação humana. Em relação à filosofia e ao seu ensino, ela é essencial. O presente trabalho procura investigar e mostrar que os entendimentos de razão para o Iluminismo e o pensamento complexo contribuem para o ensino de filosofia no ensino médio. O pensamento complexo é investigado a partir das obras de Edgar Morin, que propõe a religação dos saberes. O Iluminismo foi caracterizado como uma tendência intelectual que por meio da razão e do pensamento crítico combate as várias formas de heteronomia. As obras do ensaísta Sérgio Paulo Rouanet, que se autodenomina como um herdeiro do Iluminismo, foram examinadas mais detidamente. O exame da razão Iluminista mostrou que ela é essencialmente crítica, pois só uma razão crítica é capaz de promover indivíduos autônomos. O entendimento de razão para o pensamento complexo revela que ela é dialógica. Dialógica porque a razão se abre e dialoga com os vários elementos considerados como antagônicos e concorrentes tais como o mito, as emoções. É uma razão aberta, que faz o exame autocrítico para evitar o seu fechamento. Apesar das diferenças entre pensamento complexo e Iluminismo, o ponto de convergência, ressaltado na pesquisa, é que ambos concebem a razão como crítica e autocrítica. Somente uma razão que seja crítica e autocrítica é capaz de combater as suas ilusões e desvios. Os desvios e ilusões resultam do fechamento da razão ao diálogo, o que gera a racionalização e também a sua instrumentalização. Quanto ao ensino de filosofia foi defendida a tese de que ele deve combater e evitar todo tipo de dogmatismo, ceticismo e relativismo que impedem o diálogo e a reflexão crítica entre os jovens. Conclui-se que a razão crítica e autocrítica, resultada do entendimento do pensamento complexo e do Iluminismo aparece como apta a contribuir para tal tarefa.
     
    Baixar arquivo