Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  7.23 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  "Strange images of death": violence and the uncanny in five productions of Macbeth
Autor:  
  Dolores Aronovich Aguero   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Inglês
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFSC/LETRAS (INGLÊS E LITERATURA CORRESPONDENTE)
Área Conhecimento  
  LETRAS
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  1,335
Resumo  
  Esta tese analisa como cenas sinistramente violentas no Macbeth de William Shakespeare são realizadas em três produções teatrais (a Macbeth de Trevor Nunn; para a Royal Shakespeare Company; em 1976; a Macbeth de Ulysses Cruz; e Trono de Sangue de Antunes Filho; ambas de 1992) e em dois filmes (o Macbeth de Roman Polanski; de 1971; e Homens de Respeito; de William Reilly; de 1991). Essas produções foram escolhidas devido a sua proximidade nas respectivas épocas e sua relevância: a Macbeth de Nunn é um marco muito elogiado; as duas Macbeths brasileiras ocorreram em um momento em que o Brasil não estava feliz com seu presidente; que renunciou antes de sofrer o impeachment. Quanto aos filmes; o de Polanski é provavelmente o mais violento de qualquer adaptação de Shakespeare para as telas; e o de Reilly é uma apropriação que transporta a ação para a Máfia do século XX. Através de uma análise de “The Sand-Man;” de Ernst Hoffman; Freud desenvolveu seu conceito do sinistro; aquilo que é estranhamente familiar; que deveria manter-se escondido mas insiste em aparecer. O sinistro engloba várias características; como os duplos; a compulsão em repetir; o mau olhado; o olho grande; o olhar; o impulso da morte; déjà-vu; fantasmas; bonecas e autômatos; a nebulosidade entre fantasia e realidade; a limininalidade; epilepsia e loucura. A maior parte desses traços está presente no texto da peça e nas cinco produções analisadas. Esta tese investiga se o sinistro vem mais à tona quando a violência se mistura; e vice-versa; e por que às vezes se tem certeza de ter visto algo que sequer foi mostrado—o que é; por si só; uma sensação sinistra. Para explorar essas perguntas; esta tese compara duas mídias; teatro e cinema; sob a ótica da Análise de Performance. Outro capítulo teórico é dedicado ao sinistro e à violência em Macbeth. Os outros três capítulos analisam cada produção; sempre dando atenção ao contexto em que cada uma foi realizada. A tese conclui que violência e sinistro andam lado a lado nas cinco produções e no texto em si; mas que o filme de Polanski é difícil de ser igualado em termos de violência sinistra; já que opta por mostrar na tela muito da violência que é apenas sugerida no texto (como no caso do assassinato de Duncan). No entanto; todas as cinco produções oferecem exemplos interessantes de violência sinistra em um texto que sempre foi considerado um dos mais violentos entre as obras de Shakespeare; e que poderia ser visto também como o mais sinistro.
     
    Baixar arquivo