Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  913.05 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A arquitetura enunciativa em "O monstro" de Sérgio Sant'anna
Autor:  
  Inaura Guimaraes   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UNIFRAN/LINGÜÍSTICA
Área Conhecimento  
  LINGÜÍSTICA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  873
Resumo  
  Este trabalho volta-se para o estudo do conto “O Monstro” da obra homônima de Sérgio Sant’Anna (1994) e tem por base o referencial teórico da semiótica francesa. Nosso propósito é analisar a arquitetura enunciativa da obra, no que diz respeito à construção dos atores e às paixões que moveram suas ações. Nesse sentido, observamos a relação que se processa entre a instância da enunciação e o discurso enunciado, objetivando desvendar as estratégias enunciativas criadas pelo enunciador para fazer crer no texto enunciado. Procuramos, também, realizar uma análise do percurso do ator Antenor Lott Marçal, como sujeito do enunciado e como sujeito narrador, projetado no presente da enunciação. No primeiro, ele é dotado do papel temático de monstro por ter, juntamente com sua amante Marieta de Castro, praticado o assassinato da jovem Frederica Stucker. No segundo, ele avalia seu percurso narrativo no simulacro de entrevista que constitui o texto. Nesse aspecto, observamos o modo como o enunciador convoca a estrutura da entrevista jornalística reconstruindo-a como texto literário e os efeitos de sentido que se criam a partir desse diálogo. Descrevemos ainda os percursos narrativo, cognitivo e patêmico dos sujeitos Marieta e Antenor, centrando-nos nas paixões que supostamente motivaram suas ações como o poder, a inveja, o ciúme, a raiva e a vingança, todas más paixões. Por outro lado, ao analisarmos os percursos figurativos do texto, observamos que o tema da violência nas relações interpessoais se destaca na obra por meio do olhar irônico do sujeito da enunciação que nos leva a questionar o valor dos valores da sociedade contemporânea.
     
    Baixar arquivo