Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  4.11 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A geografia na educação básica: investigando a proposta curricular (2007) do estado de São Paulo
Autor:  
  Luciane Crepaldi   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  PUC/SP/GEOGRAFIA
Área Conhecimento  
  GEOGRAFIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  531
Resumo  
  Verifica as orientações para a disciplina de Geografia no Ensino Fundamental II (5ª a 8ª séries) da Proposta Curricular instituída pela Secretaria de Estado da Educação de São Paulo no ano de 2007. Para o estudo dos documentos Proposta Curricular para o Ensino Fundamental (ciclo II) e Ensino Médio: documento de apresentação, Orientações para a Gestão do Currículo na Escola, Volume 1 e Cadernos do Professor de Geografia utiliza-se análise de conteúdo sob o enfoque exploratório-qualitativo. Vale-se como referências teóricas ponderações sobre o pensar geográfico, os vínculos entre cognição e escola, concepções sobre currículo e o sentido que a educação escolar possui na contemporaneidade. Identifica-se que a Secretaria de Estado da Educação de São Paulo propõe a reforma curricular devido à necessidade de melhorar a qualidade do ensino oferecido pela rede pública do estado e de adequar a educação escolar às demandas de vivência, atuação e trabalho do século XXI, atribuindo para isso, o sentido de ordenação, prescrição e controle à Proposta Curricular formulada. As orientações para o ensino de Geografia demonstram um rompimento com o ensino conteudista e mnemônico dessa disciplina, mas as situações de aprendizagem sugeridas não seguem tais indicações, além de não comportar questionamentos e adaptações por parte dos docentes. Assim, as novas orientações curriculares para o ensino de Geografia não colaboram para o desenvolvimento de competências nos estudantes de forma que reconheçam os princípios e conceitos da Ciência Geográfica como instrumentos para compreensão e ação no mundo em que vivem.
     
    Baixar arquivo