Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  12.92 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Antíteses, díades, dicotomias no jogo entre memória e apagamento presentes nas narrativas da história da educação de surdos um olhar para o Instituto Nacional de Educação de Surdos
Autor:  
  Solange Maria da Rocha   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  PUC-RIO/EDUCAÇÃO
Área Conhecimento  
  EDUCAÇÃO
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  1,123
Resumo  
  Este trabalho buscou identificar os efeitos de narrativas dicotomizadas para a história da educação de surdos; tomando como campo de investigação o Instituto Nacional de Educação de Surdos. Apresento uma análise de como o Instituto vem sendo narrado pela produção bibliográfica que se consolidou no campo da educação de surdos; a partir dos anos noventa. A década de 1950; por exemplo; é apresentada; por esses autores; no âmbito estrito do debate lingüístico - entre defensores do ensino através da língua de sinais e os defensores do ensino através da língua oral - de modo antitético e em defesa do ensino através dos sinais. Este percurso de narrativa crítica vem assumindo uma perspectiva de história-tribunal numa lógica de opressores (ouvintes/oralistas) versus oprimidos (surdos/gestualistas). Alguns pioneiros da educação de surdos são apresentados hoje como anacrônicos em seus tempos por não corresponderem às idéias desse corpo teórico. Considero que a centralidade que essas críticas vêm assumindo opera inúmeros apagamentos e compromete a percepção das interações do campo com o da educação geral. Para essa investigação foram utilizadas fontes de natureza documental e iconográfica além de entrevistas. A compreensão dos processos de memória e história se apoiou; principalmente; nos trabalhos de Halbwachs (2006); Le Goff (2003) e Duby (1993). O estudo apontou que não foi a educação de surdos que não dialogou com a educação regular ou com as políticas nacionais; o que não há é pesquisa sobre esses diálogos.
     
    Baixar arquivo