Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.16 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  O programa de formação em pesquisa médica MD-PhD da UFRJ
Autor:  
  Ricardo Vigolo de Oliveira   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFRJ/QUÍMICA BIOLÓGICA
Área Conhecimento  
  BIOQUÍMICA
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  718
Resumo  
  A carreira médica assitencial oferece mais atrativos do que a carreira acadêmica. Devido a esse fato, iniciativas internacionais e nacionais tem sido tomadas para atrair o médico à pesquisa. A UFRJ, para fazer jus às intenções iniciais de integrar ensino e pesquisa quando da criação do seu Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), foi a primeira universidade no Brasil a implantar o Programa de Treinamento em Pesquisa Médica tipo MD-PhD. Esse Programa viabiliza o ingresso do aluno de medicina num programa de pós-graduação antes do término da graduação, conferindo-lhe o título de doutor (PhD) de 2 a 3 anos após a conclusão da graduação e facilita sua inserção na atividade acadêmica através do encurtamento do tempo gasto para essa titulação. Apesar dos dados preliminares referentes aos 10 primeiros pós-graduados via Programa MD-PhD da UFRJ demonstrarem ter havido um incremento na produção científica da referida instituição, ainda carecem de estudos com os alunos do Programa sobre os efeitos do encurtamento do tempo de sua formação nas suas concepções de ciência e de senso comum. O presente estudo tem por objetivo avaliar essas concepções, com base em autores da área, e compará-las com as dos médicos doutores professores-pesquisadores do HUCFF. Para tanto, esse estudo utilizou-se de diferentes metodologias quali-quantitativas, triangulando métodos como entrevista semi-estruturada, observação participante e aplicação do Inventário de Concepção de Ciência e de Senso Comum (ICCSC), o instrumento elaborado para esse estudo. O conteúdo das entrevistas dos alunos do Programa MD-PhD da UFRJ foi agrupado em 22 categorias temáticas, que deram origem às 22 sentenças temáticas do ICCSC. Os resultados mostram uma priorização de descritores de natureza objetiva para definir ciência, com destaque para a metodologia científica. E há discrepâncias quanto à confiabilidade na ciência em comparação ao seu produto, o artigo publicado. Além disso, os alunos do Programa MD-PhD da UFRJ não se reconhecem operando no senso comum. O fator que mais influencia esses alunos para a carreira científica é a relação com o orientador, e o que mais os afasta é a pouca disponibilidade de tempo. Houve grande semelhança nas suas concepções de ciência e de senso comum com as dos médicos doutores professores-pesquisadores do HUCFF, com diferença estatística em apenas uma única categoria xii descritora de senso comum, a Utilidade (p=0,0042). A partir desses dados, concluímos que o encurtamento do tempo de formação proposto pelo Programa MD-PhD da UFRJ não causa maiores diferenças na construção das concepções de ciência e de senso comum dos alunos vinculados ao Programa em relação às mesmas concepções dos professores-pesquisadores do HUCFF. Por fim, apresentamos sugestões que aperfeiçoem a implantação desse tipo de programa nas faculdades de medicina.
     
    Baixar arquivo