Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  162,37 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Estudo longitudinal do perfil funcional da comunicação de adolescentes autistas
Autor:  
  Danielle Azarias Defense   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  USP/CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO
Área Conhecimento  
  FONOAUDIOLOGIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  533
Resumo  
  O autismo é caracterizado por um prejuízo na tríade de desenvolvimento nas áreas de socialização, cognição e linguagem, o que nos remete à necessidade de se avaliar todos estes aspectos e a inter-relação entre eles. Outro aspecto importante é a questão de várias pesquisas abordarem mudanças nesses aspectos ao longo do tempo, sendo necessários estudos com adolescentes e adultos autistas para melhor caracterização de seus sintomas e da evolução observada no desenvolvimento. O objetivo geral dessa pesquisa foi traçar o perfil comunicativo de um grupo de autistas adolescentes institucionalizados, considerando os aspectos sócio-comunicativos, sócio-cognitivos e comportamentos. Foram sujeitos dessa pesquisa oito adolescentes autistas institucionalizados que foram avaliados durante seis meses a respeito do perfil funcional de comunicação, do desempenho sócio cognitivo, da escala de adaptação sócio-comunicativa e da escala "Autism Behavior Checklist" (ABC). Os resultados obtidos foram submetidos à análise estatística não paramétrica. Foi observada evolução quanto ao número de atos comunicativos e à proporção de funções comunicativas interpessoais entre o primeiro e o segundo momento de coleta de dados (três meses) e quanto ao desempenho sócio-cognitivo em situação espontânea entre o primeiro e o terceiro momentos (seis meses). Outro resultado importante foi que níveis de maior ou menor adaptação sócio-comunicativa não determinam melhor desempenho e/ou evolução nos resultados do perfil funcional de comunicação e que há relação entre maior pontuação no ABC com menores escores no desempenho sócio-cognitivo assim como nos atos comunicativos produzidos. Conclui-se que é possível observar evolução na linguagem na faixa etária da adolescência em sujeitos autistas. Os aspectos sócio-cognitivos, linguagem e socialização estão relacionados também à maior gravidade do quadro.
     
    Baixar arquivo