Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  848.76 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Educação profissional e educação especial: políticas para a formação profissional de pessoas com deficiência mental no Brasil na década de 1990
Autor:  
  Odair Antonio Fernandes   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UEM/EDUCAÇÃO
Área Conhecimento  
  EDUCAÇÃO
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  676
Resumo  
  Este estudo aborda o ensino profissionalizante para pessoas com deficiência mental; no contexto de reestruturação do sistema produtivo em que políticas internacionais; fundamentadas no ideário neoliberal; orientaram as políticas nacionais para a educação; efetivadas na década de 1990 sob a égide da inclusão. Enfatiza as políticas educacionais brasileiras e os vínculos estabelecidos entre a educação e a esfera econômica. Revela a influência das agências internacionais – Banco Mundial; UNESCO; UNICEF; OIT e outras – para efetivação das políticas nacionais; sob o enfoque neoliberal. Estabelece relações entre as Declarações de Jomtien e de Salamanca com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; Lei 9.394/96 e as políticas nacionais para a formação profissional de deficientes mentais. Constata que o Estado brasileiro; sob a influência das agências internacionais; porém não sem seu consentimento; desenvolve políticas voltadas à educação profissional e; em particular; para as pessoas com deficiência mental articuladas aos preceitos da ideologia neoliberal. A análise das políticas nacionais e internacionais revelou que; apesar de o Estado brasileiro ter o papel de mediar os conflitos entre as classes sociais; o que se constata é que a hegemonia de uma classe transparece e reflete nas políticas educacionais. Esclarece o discurso inclusivo e sua relação com os interesses do capitalismo; bem como o vínculo falacioso que se estabelece entre o ensino profissionalizante; o crescimento econômico e a diminuição da pobreza. As oficinas protegidas se apresentam como instrumento para amenizar possíveis conflitos sociais. O discurso neoliberal apresenta a educação profissional; praticada no interior dessas; como resposta ao desemprego das pessoas com deficiência mental. Este estudo desvenda os princípios e a lógica do capitalismo e do discurso neoliberal ao apresentar a educação como causa e não efeito do desemprego.
     
    Baixar arquivo