Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  8.24 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A arquitetura no processo de humanização dos ambientes hospitalares
Autor:  
  Ricardo José Simon Ciaco   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  USP/SC/ARQUITETURA E URBANISMO
Área Conhecimento  
  ARQUITETURA E URBANISMO
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  2,527
Resumo  
  A questão da humanização hospitalar parece ser temática bastante recorrente hoje; nas ciências da saúde; bem como na arquitetura. Este estudo visa compreender; através de um olhar voltado para a arquitetura; a estruturação e as práticas dos processos de humanização nos ambientes hospitalares. Para tanto; realizam-se incursões teóricas para melhor precisar o conceito de humanização em uma abordagem arquitetônica; tanto na perspectiva do utente; quanto na do trabalhador da saúde; bem como se realiza uma revisão da legislação que trata do assunto; visando uma melhor compreensão do papel do Sistema Único de Saúde no processo de humanização hospitalar. Ainda a partir de uma abordagem teórica; procura-se estabelecer parâmetros que possibilitem avaliar se estabelecimentos assistenciais de saúde podem ou não ser considerados humanizados; tentando-se elencar os requisitos básicos para se desenvolver uma arquitetura eficiente quanto à humanização desse ambientes. A partir dos referenciais teóricos da humanização hospitalar nas suas relações com a arquitetura; partese para uma análise de campo que permita; a partir das práticas em curso nos hospitais; verificar se há efetivamente uma preocupação de desenvolvimento e implantação de uma arquitetura voltada para a questão da humanização; bem como se os requisitos arquitetônicos apontados teoricamente dão conta e são suficientes para se pensar em uma arquitetura com tal propósito. Nossa hipótese é a de que como nos hospitais públicos há menor disponibilidade de recursos; a preocupação com a humanização volta-se exclusivamente para os princípios essenciais e básicos de uma arquitetura preocupada com questão; sendo esses princípios arquitetônicos por si sós já suficientes para garantir um nível adequado de humanização no ambiente hospitalar. Desta maneira; o corpus de análise volta-se para o sistema público de saúde; elencando-se quatro estabelecimentos assistenciais de saúde que atendem preferencialmente usuários do SUS; em diferentes portes e complexidades operacionais; possibilitando assim uma visão prática mais abrangente. São eles o Hospital Escola Municipal de São Carlos; o Hospital do Câncer de Barretos; a Santa Casa de Porto Alegre e a Santa Casa de São João da Boa Vista. Desta forma; espera-se então entender se nos hospitais destinados ao atendimento público a presença da arquitetura; por meio de requisitos básicos; é eficiente na humanização dos ambientes. E; por fim; fornecer subsídios para a estruturação de uma arquitetura hospitalar mais eficiente na questão da humanização.
     
    Baixar arquivo