Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  566.61 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Avaliação de longo prazo de crianças e adolescentes portadores de carcinoma diferenciado da tireóide
Autor:  
  Fernanda Vaisman   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFRJ/MEDICINA (ENDOCRINOLOGIA)
Área Conhecimento  
  MEDICINA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  68
Resumo  
  Introdução: O carcinoma de Tireóide é o tumor endócrino mais comum na infância e adolescência. Apesar disto, é uma patologia rara nesta faixa etária sendo responsável por 1,5-3% de todos os carcinomas nesta faixa etária nos EUA e Europa. A apresentação costuma ser mais agressiva e a sobrevida bastante longa. O tratamento e o estadiamento são baseados em dados gerados a partir de estudos com adultos devido à escassez de trabalhos que contemplem esta população. Em decorrência disto, ainda persistem diversas controvérsias quando se trata de carcinoma diferenciado de tireóide na população pediátrica. Objetivos: O objetivo deste estudo é avaliar a evolução de longo prazo de pacientes diagnosticados com carcinoma diferenciado da tireóide antes dos 20 anos de idade acompanhados em dois grandes centros de referência. Desenho do estudo e pacientes: Realizado um estudo de coorte não concorrente no qual foram selecionados 65 pacientes acompanhados em média por 12,6 anos, matriculados no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho-UFRJ ou no Instituto Nacional do Câncer-INCa, entre os anos de 1980 e 2005. Os dados foram coletados por meio de revisão dos prontuários. Todos foram estadiados de acordo com as classificações TNM, MACIS, AMES e ATA avaliando sua capacidade de predição do sucesso da ablação e da evolução no longo prazo. Resultados: Foram avaliados 65 pacientes com uma idades de 4 a 20 anos (mediana de 14 anos). Dentre todas as variáveis analisadas, encontrou-se uma freqüência de metástase linfonodal de 61,5%, sendo este um fator de pior prognóstico tanto para o sucesso da ablação quanto na sobrevida livre de doença (p=0,014 e 0,0008 respectivamente). A presença de metástases à distância também foi um bom preditor de insucesso na ablação (p=0,014). Todos os sistemas de estadiamento tiveram uma boa sensibilidade e um alto valor preditivo negativo para prever o sucesso da ablação, porém apenas a classificação da ATA se mostrou significativa no longo prazo (p=0,02). Conclusões: A presença de metástases, seja linfonodal ou à distância, determina um pior prognóstico em relação ao sucesso da ablação, sendo que a presença de linfonodos aumenta o tempo que o paciente leva até tornar-se livre de doença. Todos os sistemas de estadiamento foram eficientes em determinar os pacientes de mau prognóstico, porém dentre os pacientes classificados com baixo risco, 49,2% não tiveram uma boa evolução. No longo prazo, apenas a classificação de ATA manteve uma boa correlação com o tempo para tornar-se livre de doença.
     
    Baixar arquivo