Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  5.71 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Caminhos de ferro: a ferrovia e a cidade de Parnaíba, 1916-1960
Autor:  
  Lêda Rodrigues Vieira   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  FUFPI/HISTÓRIA
Área Conhecimento  
  HISTÓRIA DO BRASIL
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  522
Resumo  
  Este trabalho apresenta e analisa o processo de constituição da viação férrea no Piauí, tomando como base estudos e projetos de ferrovias que visavam transformar o Estado em um grande entroncamento ferroviário. Nesse sentido, foi projetada a construção de estradas de ferro ligando a capital Teresina (PI) às cidades de São Luís (MA), Petrolina (PE) e Crateús (CE), além da Central do Piauí que ligaria Teresina a Amarração (Atual Luís Correia). Com isso, perscrutou-se a história do desenvolvimento ferroviário piauiense, sobretudo dos primeiros trilhos implantados na região norte do Estado, atingindo cidades como Parnaíba, Luís Correia, Cocal, Piripiri, Piracuruca, etc., em que se escolheu Parnaíba para compreender sua relação com a ferrovia. No final do século XIX e início do século XX, essa cidade era considerada empório comercial do Piauí com a presença de casas comerciais e elementos do mundo moderno, dentre os quais as ferrovias e suas edificações. Nesse espaço ferroviário, verificou-se a atuação de diversos profissionais, como engenheiros e operários, que trabalhavam realizando diferentes serviços: planejamento, construção, manutenção, etc. Além disso, rastreou-se as memórias de ferroviários aposentados, principalmente de operários, para compreender suas funções na ferrovia e suas sociabilidades praticadas tanto no espaço urbano de Parnaíba quanto no ambiente de trabalho. Para isso, foram realizadas leituras de estudos acerca das ferrovias como as dos autores Francisco Foot Hardman, Douglas Apratto Tenório, Ecléa Bosi, Vera Dodebei e Michel de Certeau. As fontes foram constituídas por: jornais (O Dia, Diário Oficial e O Piauí, de Teresina, A Semana e A Praça, de Parnaíba), periódicos (Almanaque da Parnaíba, Econômica piauiense, Cartas CEPRO, etc.), mensagens e relatórios governamentais, além de crônicas produzidas por intelectuais parnaibanos, fontes orais e documentações contidas nas pastas de assentamento individual de funcionários da Rede Ferroviária Federal S. A, em São Luís (MA), especialmente de ex-ferroviários que trabalharam na antiga Estrada de Ferro Central do Piauí. O recorte temporal da pesquisa abrange os anos de 1916 a 1960 e se justifica por ter início, em 1916, a inauguração do primeiro ramal ferroviário do Piauí, ligando Portinho a Cacimbão (regiões próximas a Parnaíba). Desse ano em diante, surgiram novos projetos de implantação de ferrovias no Estado e, com o advento das rodovias direcionadas mais para a região sul, ocorreu a gradativa desativação do sistema ferroviário e a diminuição da importância comercial de Parnaíba devido as mercadorias passarem a ser escoadas nas cidades de Teresina, Picos e Floriano.
     
    Baixar arquivo