Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1,75 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Da clínica do desejo a sua escrita: incidências do pensamento psicanalítico na escrita de alguns autores do Brasil e Caribe (1918-1990)
Autor:  
  Wilson Alves Bezerra   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UERJ/LETRAS
Área Conhecimento  
  LETRAS
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  821
Resumo  
  Tomando a noção de "traveling theory" de Edward Said como ponto de partida, o presente trabalho propõe analisar os deslocamentos do pensamento psicanalítico - a obra de Sigmund Freud e Jacques Lacan - para o campo da cultura e da literatura na América Latina, ao longo do século vinte. Privilegiam-se, comparativamente, os casos brasileiro (São Paulo, nos anos vinte, Rio de Janeiro, nos anos cinqüenta) e caribenho (Martinica Francesa, anos sessenta, Cuba, a partir dos anos quarenta). Busca-se assim aferir as incidências do pensamento psicanalítico na obra de alguns autores, tratando de pensar o que resta da clínica do desejo em sua escrita literária ou ensaística. Mas também postular as possíveis incidências da escrita literária sobre o pensamento analítico. Sob tal perspectiva, são analisados, principalmente, textos dos seguintes autores: Mário de Andrade, Nelson Rodrigues, Frantz Fanon e Severo Sarduy. A hipótese que mobiliza este trabalho é que na passagem da reflexão sobre a clínica para a literatura, e vice-e-versa, algo se mantém e realimenta os dois campos. Dito de outra forma, é possível pensar " no caso do ensaio e da literatura " na existência de uma escrita que mobiliza o desejo, e tal escrita não se dá necessariamente quando há um estudo apurado por parte dos escritores da teoria psicanalítica, quando a literatura mobiliza o desejo, não raro, são os analistas que se debruçam sobre tal escrita.
     
    Baixar arquivo