Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.01 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Amplitude de pulso ocular em pacientes portadores de glaucoma primário de ângulo aberto assimétrico
Autor:  
  Marcelo Jarczun Kac   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFF/CIÊNCIAS MÉDICAS
Área Conhecimento  
  MEDICINA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  21
Resumo  
  Objetivo: Avaliar a amplitude de pulso ocular (APO) utilizando o tonômetro de contorno dinâmico (TCD) em pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA) assimétrico e pressão intra-ocular (PIO) assimétrica. Métodos: 48 pacientes (96 olhos) com GPAA assimétrico foram recrutados. Três medidas da PIO e da APO foram aferidas utilizando o TCD. Para o diagnóstico de assimetria eram necessárias uma diferença de perda de campo visual maior que 6 dB no índice "mean deviation" (MD), e uma diferença de 5 mmHg na PIO medida com o tonômetro de aplanação de Goldmann (TAG) entre o olho mais afetado e o contra-lateral. Todos os participantes se submeteram a um exame oftalmológico completo, incluindo paquimetria ultrassônica e ecobiometira. Os critérios de exclusão consistiram de: doenças ou cicatrizes corneanas, uso de medicação anti-glaucomatosa tópica ou sistêmica e cirurgia ocular prévia. Resultados: Não houve diferença com significância estatística (p = 0,142) entre o comprimento axial dos olhos do grupo melhor (22,95 +/- 0,91 mm) e pior (22,85 +/- 0,97 mm). Houve diferença estatisticamente significativa (p = 0,011) entre a espessura corneana central do grupo de olhos melhores (537,08 +/- 29,54 mium) e do grupo de olhos piores (534,40 +/- 29,87 mium). Os valores da APO do grupo de olhos melhores (3.32 +/- 1.14 mmHg) foram significativamente menores (p = 0,001) do que os obtidos no grupo de olhos piores (3,83 +/- 1,27 mmHg). Quando corrigimos as medidas de APO pela diferença de PIO entre os olhos houve uma perda da significância estatística entre os grupos (p = 0,996). Conclusão: A APO é semelhante entre os dois olhos de pacientes portadores de GPAA assimétrico com PIO assimétrica. De acordo com esses dados não há evidência de que a APO possa ter um papel no GPAA hipertensivo assimétrico.
     
    Baixar arquivo