Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  3.57 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  O Patronato Agrícola Visconde da Graça em Pelotas/RS (1923-1934): gênese e práticas educativas
Autor:  
  Magda de Abreu Vicente   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFPEL/EDUCAÇÃO
Área Conhecimento  
  EDUCAÇÃO
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  643
Resumo  
  Esta pesquisa, desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas, na linha de Filosofia e História da Educação, tem como enfoque principal a educação em Pelotas-RS no início do século XX, analisando, especificamente, uma instituição escolar: o Patronato Agrícola Visconde da Graça. A investigação foi realizada por meio de uma abordagem sócio-histórica, utilizando a análise documental, cujas principais fontes foram os Relatórios Anuais e Fichas dos Alunos da Instituição, o jornal pelotense Diário Popular, o Almanaque de Pelotas, o Almanaque Correio do Povo (da cidade de Porto Alegre/RS) e as Leis e Decretos do Brasil referentes aos Patronatos. Dessa forma, visa analisar a gênese, as práticas educativas e o perfil dos alunos do Patronato. O embasamento teórico levou em consideração alguns discursos sobre modernização agrícola, ensino profissional e políticas médico-higienistas, e enfatizou a educação que era destinada à população mais pobre no Brasil. Os elementos de pesquisa levaram a concluir que o Patronato de Pelotas foi uma instituição que aglutinou alunos de toda a região sul do Rio Grande do Sul. Administrou práticas educativas rígidas, voltadas ao aprendizado para o trabalho profissional agrícola e cívico. Dessa forma, muitos alunos evadiam, ou para ajudar no sustento familiar ou porque não conseguiam se adaptar às normas disciplinares. Assim, atendeu de forma precária à formação de educação profissional, mas foi e continua sendo uma Instituição que garante o estudo em regime de internato de uma ampla gama da população desta região.
     
    Baixar arquivo