Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  4.04 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  "Festas bôas" de Caruaru-PE: da Conceição à Capital do Forró (1950-1985)
Autor:  
  José Daniel da Silva   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFPE/HISTÓRIA
Área Conhecimento  
  HISTÓRIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  929
Resumo  
  Este trabalho reflete sobre três festas caruaruenses e os elementos que levaram a cidade a transformá-las durante os anos 1950 a 1980. Reflete, também, sobre o que levou a sociedade caruaruense a eleger os festejos juninos como seus eventos festivos mais importantes. A cidade de Caruaru passou por grandes mudanças históricas nessa época, acompanhando as modificações brasileiras, fazendo com que diversas de suas práticas fossem reelaboradas e ressignificadas, dentre elas as festivas. Caruaru possuía, até os anos 60, duas festas principais, consideradas tradicionais pela população: "Festa do Comércio" e "Carnaval". Ambas eram antigas e costumavam movimentar grande parte da população, que se envolvia na brincadeira dos festejos e na sua organização. Seus momentos de maior visibilidade para a cidade foram os anos 50, nos quais houve altos investimentos econômicos em estrutura e propaganda. Após esta data, paulatinamente, estas duas festividades foram sendo diminuídas em sua feitura e significação para a população, acompanhando as mudanças da cidade, tendo suas últimas edições ocorrido nos anos 1990. Por sua vez, houve a ressignificação das festas juninas, transformadas em "festas da cidade". As festas de São João caruaruenses foram transformadas em atrativo turístico, sendo das mais conhecidas do Brasil. Sua construção como "marca" da cidade remete aos anos 60 e 70, a partir da ação da população, da mídia, dos poderes públicos (níveis municipal, estadual e federal) e das músicas de forró em homenagem a caruaru. Atração turística, a festa junina era vista e mostrada como folclórica, tradicional, sendo a cidade denominada de "Capital do Forró" ou "Maior e Melhor São João do Mundo", fazendo parte das festas com apelo de "espetacularização", seguindo a tendência das festas capitalistas das últimas décadas.
     
    Baixar arquivo