Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.60 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A geografia do Brasil na educação básica
Autor:  
  Leonardo Dirceu de Azambuja   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFSC/GEOGRAFIA
Área Conhecimento  
  GEOGRAFIA
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  533
Resumo  
  A Geografia Escolar brasileira e a Geografia, enquanto saber cientifico, se constituíram a partir dos paradigmas teóricos e metodológicos da Geografia Clássica e da Pedagogia Tradicional. As renovações paradigmáticas da ciência e da escola foram desenvolvidas, marcadamente, na segunda metade do século XX. No caso desta disciplinas escolar, esses processos renovadores podem ser identificados no movimento da Geografia Critica e, mais recentemente, no movimento de Reconstrução Curricular, oficializado nos Parâmetros Curriculares Nacionais. Nesse contexto, a presente tese contempla a análise dessas heranças e apresenta a proposta de uma Geografia Escolar com prioridade no estudo do Brasil como referência para a organização do currículo na Educação Básica. Defendemos o entendimento de que essa escolha de conteúdo possa significar a renovação necessária, ou a ruptura que ainda falta para (re) significar a prática de ensino desta área do conhecimento. Os fundamentos para a análise geográfica dessa proposta estão relacionados ao paradigma teórico e metodológico da formação sócioespacial nas escalas geográficas nacional, regional e ou sub-regional. No paradigma do geossistema, quando a interpretação geográfica se dá a partir da natureza, seja na escala dos grandes domínios naturais e ou de outras dimensões escalares, por exemplo, a de uma bacia ou micro-bacia hidrográfica. E, ainda, quando pertinente ou necessário é possível recorrer ao uso das interpretações fundamentadas no paradigma fenomenológico. As pedagogias do oprimido (Freire) e histórico-critica (Saviani) são relacionadas com as proposições que denominamos "Metodologias cooperativas" de ensino-aprendizagem: projeto de trabalho, unidade temática, estudo do meio e situação de estudo, formatando, assim, as referências para a didática da Geografia. Escrevemos, então, sobre a Geografia do Brasil real para ampliar as reflexões de método e a interpretação do território brasileiro, explicitando as proposições de regionalização e, também, as interpretações relacionadas com as áreas temáticas da ciência geográfica: agrário, urbano, indústria, circulação e população. A análise geográfica do Brasil assume a compreensão do território usado, ou seja, as progressivas transformações de um meio natural para um meio técnico e para um meio técnico-cientifico-informacional. Na seqüência, tratamos das práticas de ensino desde as origens até a atualidade, identificando as heranças e as necessidades de rupturas e continuidades. O livro didático e ou os documentos curriculares mais atuais foram as fontes de pesquisa para o resgate e análise dessa trajetória. No momento seguinte trabalhamos a nossa síntese propositiva de forma e conteúdo. Elaboramos, então, as possibilidades de ensino por meio das metodologias cooperativas e destacamos algumas das possibilidades de temas didáticos da Geografia Escolar do Brasil. Refletimos, também, sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação e sobre as formas gráficas e cartográficas como recursos didáticos. Finalizamos com uma proposta demonstrativa de planejamento de unidade temática, associando conteúdo e forma.
     
    Baixar arquivo