Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.81 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Determinantes clínicos de dependência e qualidade de vida em idosos atendidos em um ambulatório de cardiologia
Autor:  
  Giselle Helena de Paula Rodrigues   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  USP/CARDIOLOGIA
Área Conhecimento  
  MEDICINA
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  152
Resumo  
  INTRODUÇÃO: Com o envelhecimento da população, a prevalência de doenças crônico-degenerativas sofreu aumento progressivo. A repercussão dessas doenças sobre a capacidade funcional foi reconhecida. Outro parâmetro de saúde é a "qualidade de vida" ou, preferivelmente, "qualidade de vida relacionada à saúde”. A avaliação destes parâmetros emergiu como parte importante do exame clínico do idoso. Na população idosa, as doenças cardiovasculares destacam-se pelo enorme impacto epidemiológico e clínico. Elas, geralmente, vêm associadas a outras afecções, inclusive neuropsiquiátricas. Esse conjunto de problemas pode comprometer a independência e a qualidade de vida do idoso que busca tratamento cardiológico. Esses parâmetros de saúde têm sido relativamente pouco contemplados pelos cardiologistas. OBJETIVO: Avaliar, em uma população de idosos atendidos em um ambulatório de cardiologia de um hospital de referência, se os determinantes clínicos mais relevantes de dependência e de qualidade de vida são doenças e fatores de risco cardiovascular ou ainda comorbidades, particularmente as neuropsiquiátricas. MÉTODOS: Os idosos deste estudo foram selecionados aleatória e consecutivamente. Aqueles com déficit cognitivo não foram considerados para o cálculo da qualidade de vida. A avaliação clínica dos pacientes foi feita por uma única médica de acordo com os dados obtidos em seus prontuários clínicos. Os pacientes foram ainda atendidos por uma única psicóloga que aplicou um conjunto de quatro questionários: HAQ, SF-36, PRIME-MD e Mini Exame do Estado Mental. RESULTADOS: O estudo incluiu 1020 idosos, 646 (63,3%) mulheres e 374 (36,6%) homens, entre 60 e 97 anos (média: 75,56 ± 6,62 anos). Nesta população, 61,4% mostrou-se independente ou com dependência leve. O escore total de qualidade de vida foi elevado (HAQ: 88,66 ± 2,68). 87,7% dos pacientes apresentou escore total do SF-36 > 66. No domínio emocional, 44,7% apresentou índices elevados de qualidade de vida (SF-36 > 66). Idosos entre 90 e 97 anos apresentaram escores do SF-36 acima da média: 66,66 ± 4,59, no domínio emocional. A regressão logística mostrou que a associação entre os diagnósticos e graus elevados de dependência foi significante (p<0,05) para: ausência de atividade física (OR: 0,08), obesidade (OR: 2,24), acidente vascular cerebral prévio (OR: 1,97), déficit cognitivo (OR: 3,17), osteoartrite (OR: 1,64) e depressão maior (OR: 2,76). A associação entre os diagnósticos e graus mais baixos de qualidade de vida permaneceu significante para: fibrilação atrial (OR: 0,61), osteoartrite (OR: 1,79), depressão maior (OR: 6,09) e depressão menor (OR: 1,91). CONCLUSÃO: Em uma população de idosos atendidos em um ambulatório de cardiologia de um hospital de referência, os determinantes clínicos mais relevantes de prejuízos para dependência e qualidade de vida são as comorbidades não cardiovasculares, particularmente as neuropsiquiátricas.
     
    Baixar arquivo