Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.15 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Avaliação (in vitro e ex vivo ) da ação da Frutose-1, 6-Bisfosfato sobre a atividade das enzimas E-ntpdase e Ecto-5'-Nucleotidase em plaquetas de ratos hígidos e sépticos
Autor:  
  Luiz Claudio DAvila   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  PUC/RS/BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
Área Conhecimento  
  BIOFÍSICA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2006
Acessos:  
  3,792
Resumo  
  A frutose1,6bisfosfato (Fru1,6P2) é um metabólito intracelular natural da rota glicolítica celular. Este monossacarídeo bisfosforilado vem sendo usado experimentalmente por muitos pesquisadores em diversos modelos animais de isquemiareperfusão, inflamação e sepse. Nos anos 90, Cavallini e colaboradores [23] demonstraram que a Fru1,6P2 inibe, in vitro , a ativação plaquetária e Akimitsu et al. [24] observaram, num modelo de aderência leucocitária pósisquêmica, que tanto a Fru1,6P2 quanto a adenosina apresentavam o mesmo efeito antiisquêmico. Mais recentemente, Chu et al. [25] demonstraram, num modelo de lesão pulmonar, que a coadministração de promazine, um inibidor não seletivo da ATPdiphosphohydrolase, inibia completamente os efeitos observados com a Fru1,6P2. A ATPdiphosphohydrolase é uma ectoenzima da família das ENTPDases que em conjunto com a ecto5’ nucleotidase (Ecto5’ NT) hidrolisam seqüencialmente o ATP até a adenosina. Neste trabalho, propõese a hipótese de que os efeitos benéficos observados com a administração da Fru1,6P2 poderiam ser devido a uma modulação da atividade específica de uma destas duas enzimas, ou de ambas. Preparados de plaquetas lavadas e purificadas foram obtidos de ratos hígidos e sépticos através de centrifugação diferencial e incubados em meio de reação, tamponado com TrisHCl, tendo ATP, ADP ou AMP como substrato. A hidrólise dos nucleotídeos foi determinada in vitro sob concentrações de 0,0 mM (controle sem fru1,6P2), 2,0 mM e 4,0 mM de Fru1,6P2 e ex vivo com plaquetas de ratos sépticos e sépticos tratados, pela viaintraperitonial, com 1,0 mL de Fru1,6P2 a 17% (p/v) (480680 mg/kg de peso corpóreo). Os valores obtidos nos ensaios in vitro , com plaquetas de ratos hígidos submetidas a meios de reação contendo 2,0 mM e 4,0 mM de Fru1,6P2, não apresentaram diferenças significativas quando comparados aos obtidos do controle, sem o monossacarídeo bisfosforilado. Os dados obtidos nos ensaios ex vivo, com plaquetas de ratos sépticos tratados e não tratados com a Fru1,6P2, também não revelaram alterações significativas em relação ao controle “SHAM”. Estes dados sugerem que os resultados antiagregantes, antiisquêmicos e antiinflamatórios, previamente observados com a Fru1,6P2, não devem ter ser sido produzidos por um efeito modulador sobre a atividade das enzimas ENTPDase e Ecto5’ NT em plaquetas.
     
    Baixar arquivo